27 de janeiro de 2016

DUBLAGEM INESQUECÍVEL (28): OS TRÊS PATETAS



Esta divertida coleção de gargalhadas começou em 1922 quando os irmãos Moe e Shemp Howard juntaram-se a Larry Fine e Ted Healy e formaram um grupo de teatro vaudeville, o qual primeiramente batizaram de Ted Healy and His Three Southern Gentleman.
 O nome, mais tarde, mudou para Ted Healy and the Rocketeers e depois paraTed Healy and His Gang. Os esquetes do palco eram como os dos curtas que todos conhecemos e amamos, mas com a diferença que na época, Ted Healy, e não Moe, era o líder do grupo.
 Eles levaram seu humor pelo país até 1927, quando Larry se afastou para se casar, e Moe, para tomar conta de sua esposa e da filha recém-nascida. Eles só voltaram a se reunir em 1929, quando estrearam na Broadway com a comédia A Night in Venice. Em 1930, os críticos os consideravam hilários.

Naquele ano, Ted Healy foi convidado pela 20th Century Fox para fazer o filme Soup of Nuts, que chamou a atenção do estúdio para Moe, Larry e Shemp. Assim, o trio recebeu uma proposta contratual de sete anos. Quando Ted soube da oferta, convenceu Winnie Sheehan, executivo da Fox, a desistir da ideia, pois não queria que o grupo perdesse seus atores.
 Infelizmente para Ted, quando os três souberam da traição, decidiram abandonar a equipe e juntos formaram o Howard, Fine and Howard – The Three Lost Souls. Nesse período, uma das palhaçadas mais constantes dos curtas teve origem durante um jogo de cartas. Certo de que Larry estava roubando, Shemp levantou-se furioso e enfiou os dedos nos olhos do parceiro. No dia seguinte, durante o espetáculo, Moe repetiu o gesto (sem de fato acertar os olhos) e a plateia estourou de rir.
Outra palhaçada que não apenas tornou-se marca de Os Três Patetas, mas também seria repetida em diversas comédias ao longo dos anos (até hoje) é a famosa briga de tortas. No caso do trio, ela começou com uma brincadeira de Moe, que certo dia, teve uma ideia ao ver uma torta no camarim onde algumas dançarinas estavam conversando com outros atores. Ele a pegou e jogou na cabeça de Larry sem que o amigo soubesse de onde o ataque viera. À procura do culpado, Larry logo percebeu risos vindos do camarim. Embora os atores não tivessem a menor relação com o ocorrido, acabaram levando na cara os restos da torta jogada em sua cabeça. Estava declarada a guerra de tortas.



Durante os dois anos que se seguiram ao rompimento do grupo original, Healy fez constantes ameaças ao trio. Foi somente após formar outra equipe que ele deu uma trégua a seus antigos amigos. Ele no entanto tornara-se alcoólatra e relapso no trabalho. Ao saber da situação, Moe decidiu ajudar, prometendo aceitá-lo no grupo se ele prometesse ficar sóbrio. Shemp não concordou, pois considerava Healy um alcoólatra perigoso e incurável. Como havia recebido uma proposta para um filme, Shemp abandonou o trio. Para preencher a lacuna, Moe recorreu a seu irmão caçula, Jerome, mais conhecido na família como Curly, por causa da vasta cabeleira cacheada.


Pouco depois de Curly juntar-se à equipe, Healy expressou insatisfação sobre sua aparência. Larry tinha uma cabeça que lembrava um porco espinho, e o cabelo de Moe parecia uma cuspideira. E o que Curly tinha a oferecer? Uma cabeleira e um bigodão. Não, ele não se encaixava. Para convencê-lo do contrário, Curly pediu 20 minutos. Quando voltou, tinha raspado o bigode. Mas a surpresa mesmo veio ao retirar o boné que cobria sua cabeça. Curly estava completamente careca. Assim mesmo, continuou sendo chamado de Curly quando partiu com a trupe em mais uma. 



Além dos espetáculos, eles continuaram fazendo filmes. Entre 1933 e 1934 foram nove comédias de curta metragem para a MGM: Hello Pop,Plame Nuts, Beer and Pretzels, The Big Moe já estava claro que deveriam deixar de ser os patetas de Healy, para se tornaram Os Três Patetas. O trio teve sua chance horas depois do rompimento de uma forma condizente com o espírito dos patetas. Enquanto Moe deixava o estúdio da MGM, foi abordado pelo agente Walter Kane, que o Idea, Turn Back de solo. Tanto que, em maio de 1934, Moe observou que Healy não precisava mais do trio, por isso deveria seguir sozinho. Healy e seu agente concordaram de imediato e no mesmo dia o termo de rompimento estava assinado.

A notícia encheu Larry e Curly de preocupação, mas o levou para à
 Columbia Pictures para assinar um contrato. Ao mesmo tempo, Larry também deixava o estúdio e foi abordado por outro agente, Joe Rivkin, qu o levou à Universal para assinar outro contrato. O impasse foi resolvido a favor da Columbia, pois como cada contrato registrava o horário Clock, Meet the Baron, Dancing Lady, Fugitive Lovers e Hollywood Party. Apesar de atuar com os três, Healy também estava construindo uma bem-sucedida carreira em que foram assinados, o que valia era o primeiro, com a Columbia.

O filme de estreia foi a comédia musical Odeio Mulheres/Woman Haters, no qual não figuraram como trio e sim separadamente. Em seguida, veio Trocando as Pernas/Punch Drunks e um almejado contrato de sete anos, com um salário considerado muito bom. Na época, o acordo pareceu excelente. Infelizmente, eles não perceberam que a Columbia ficara com o direito de usar suas vozes e imagens tanto nos meios de comunicação existentes quanto nos futuros. Por isso, quando seus curtas foram para a TV, eles não receberam nenhum pagamento pela apresentação.

Moe tentou recorrer, mas, anos depois, quando Ronald Reagan tornou-se presidente do Screen Actors Guild, ele estabeleceu que não seria pago nenhum valor aos atores de filmes sendo apresentados na televisão, produzidos antes de 1960, e isto encerrou a questão.


A Columbia também tinha uma tática para evitar que o trio pedisse aumento de salário, que era 7.500 dólares por filme. O estúdio sempre relatava uma crescente dificuldade na venda de seus filmes aos cinemas, alegando a falta de interesse do público nos patetas. Anos mais tarde, Moe descobriu exatamente o contrário. Os filmes de Os Três Patetas sempre tiveram muita procura por todo o país, mas toda vez que alguém solicitava um filme deles, era forçado a levar outro classe B.

Ao final dos sete anos, eles ainda descobriram que o contrato com a Columbia dava ao estúdio o direito a mais 14 anos. Eles só ficariam livres em 1958, após 24 anos sob contrato. Neste período, eles fizeram 194 curtas e participaram de cinco longas, sendo indicados a um Oscar pelo curta As Coisas Estão Pretas/Men in Black.

Este período também foi marcado por mudanças. Dia 14 de maio de 1946, Moe e Larry estavam filmando as últimas cenas de Três Idiotas de Elite/Half-Wit’s Holiday (refilmagem de Gentalha/Hoi Polloi), quando perceberam que Curly havia sofrido um derrame enquanto esperava ser chamado em cena. Por seis anos, ele permaneceu doente e teve outros derrames, até falecer em janeiro de 1952, aos 48 anos.

A princípio, Moe e Larry acharam que seria impossível substituir o talento de Curly. Mas então Moe lembrou-se do irmão Shemp e imediatamente apresentou a ideia à Columbia. Como o estúdio achava Shemp muito parecido com Moe, a mudança não foi aprovada. Moe insistiu, afirmando que sem Shemp a Columbia não teria mais nenhum pateta, e eles finalmente concordaram. Shemp reestreou no grupo com o curta Marmelada Indigesta/Fright Night (1947). Os Três Patetas estavam de volta à cena, mas cada palhaçada feita com Shemp, como os tapas ou continuasse os dedos nos olhos de Curly, traziam tristes recordações a Moe. Curly ainda apareceu no filme, pois sabiam que se Moe parasse, ele também não viveria por muito tempo.

Novamente encorajado, Moe tentou obter Joe DeRita para o grupo, mas, como ele estava sob contrato com o produtor Harrold Minsky, Moe teve de continuar a busca. Logo ele lembrou-se de Joe Besser, que adorou o convite. Após Moe conseguir liberá-lo de um compromisso com a Columbia, Joe estreou como pateta em Apenas um Trote/Hoofs and Goofs (1957), divertindo o público com seu bordão "Isso dói!" até o final do longo contrato dos patetas com o estúdio.

Shemp divertiria as plateias até 1955. Dia 23 de novembro daquele ano, ele saiu com amigos para uma luta de boxe, durante a qual se divertiu muito e arrancou gargalhadas de todos a sua volta, que assistiam tanto às lutas quanto a suas engraçadas reações aos golpes. Mais tarde, ao voltar para casa, ele contava piadas, quando de repente sua cabeça caiu sobre o peito, depois ele a encostou no ombro de seu amigo, fechou os olhos, sorriu e morreu. Seu último filme foi Mar e Azia/Commotion on the Ocean. Shemp tinha 50 anos.
A notícia foi um choque muito grande para Moe. Durante semanas ele sentiu-se sozinho e frustrado, e pensou em desistir dos patetas.


Novamente encorajado, Moe tentou obter Joe DeRita para o grupo, mas, como ele estava sob contrato com o produtor Harrold Minsky, Moe teve de continuar a busca. Logo ele lembrou-se de Joe Besser, que adorou o convite. Após Moe conseguir liberá-lo de um compromisso com a Columbia, Joe estreou como pateta em Apenas um Trote/Hoofs and Goofs (1957), divertindo o público com seu bordão "Isso dói!" até o final do longo contrato dos patetas com o estúdio.

Com a carreira no cinema aparentemente acabada, os patetas decidiram sair em turnê. Porém, Joe não poderia seguir com eles porque sua esposa estava doente. Felizmente, o contrato de Joe DeRita estava prestes a terminar e o comediante estava ansioso para juntar-se aos patetas. Assim, Moe, Larry e o novo pateta, batizado de Curly-Joe, saíram em viagem pelo país apresentando-se em clubes e feiras. Mas os tempos eram outros e o teatro de vaudeville estava morto.

Quando parecia que o tempo dos patetas também tinha acabado, Moe ficou sabendo que a Screen Gems, uma subsidiária da Columbia, estava reaproveitando os velhos curtas dos patetas em versões para TV. De repente, o trio tornou-se um fenômeno entre as novas gerações que ainda não os conheciam.

Os Três Patetas passaram a ser requisitados por todo o país, com inúmeras ofertas para fazer quadrinhos, discos, feiras, e aparecer em convenções
 de maior audiência na época. Após anos à espera de uma oportunidade para estrelar um longa metragem, a oferta finalmente veio da própria Columbia em 1959 com o filme O Foguete Errante/Have Rocket Will Travel.


Vendo o crescente sucesso do trio, a Columbia ofereceu um novo contrato para mais longas, mas agora eles já haviam criado sua própria empresa, a Normandy Productions, com Harry Romm, agente de Moe, através da qual passariam a produzir seus próprios filmes. A Columbia então montou um longa com velhos curtas e o lançou sob o título deLook and Laugh. Em resposta, o grupo abriu um processo e conseguiu não apenas retirar o filme de cartaz, mas também um financiamento para o filme Os Três Patetas Encontram Hércules/The Three Stooges Meet Hercules (1962). No total, foram nove filmes com Moe, Larry e Curly-Joe.



Em 1971, Moe, Larry e Joe DeRita estavam planejando fazer um seriado para a TV, quando Larry sofreu um derrame, que o colocou em uma cadeira de rodas e o forçou a viver no Motion Pictures Country Home Hospital. Depois do ocorrido, Moe sabia que os patetas tinham chegado ao fim. Assim, Joe DeRita pediu permissão para formar um novo grupo, com o qual, infelizmente, não fez muito sucesso.

Após o falecimento de Larry em janeiro de 1975, aos 72 anos, Moe decidiu aposentar-se como pateta. Pouco depois, ele recebeu um convite para fazer uma palestra na faculdade Salem College, em West Virginia. A viagem que foi na verdade motivada pelo desejo de visitar seu filho o surpreendeu com a grande recepção do público, que ainda amava os patetas e desejava saber tudo sobre eles. Assim, mais palestras tiveram lugar em universidades pelo país, e em alguns programas de TV. Moe Howard só parou de divertir as plateias em maio de 1975, quando faleceu vítima de câncer, dias antes de complet
ar 78 anos.


(Texto de autoria de Fernanda Furquim)


**OS TRÊS PATETAS NO BRASIL**

Um dos seriados me maior sucesso na TV brasileira Sua exibição se inicia em 1965 e perdurou durante as décadas de 70, 80, 90 e a 1ª década do século XXI, com alguns intervalos.


Sua estreia ocorreu no 1º ano da Tv Globo, porém não foram adquiridos todos os episódios. A emissora estava iniciando e exibiu um lote de cerca de 50 episódios, com receio de que não houvesse audiência devido à uma certa "violência".


Mas "o trio mais biruta da tela" ganhou a simpatia do público e a emissora, além de adquirir mais 50 episódios, exibiu a série até o início de 1969.


Imediatamente a Tv Record, adquire os direitos da série e envia para dublagem os 90 episódios restantes.

Assim, a Record talvez tenha sido a única emissora a exibir os 190 episódios de Os Três Patetas de 1970 a 1972.

Sempre com sucesso garantido, a Rede Globo passa novamente a exibir 2 episódios da série de 1973 a 1975, por volta das 11h da manhã, de segunda à sexta.




Quando se necessitava subir a audiência, Os Três Patetas eram lembrados. Assim, de 1977 a 1978, a Tv Record retorna a exibir a série.


Depois de alguns anos, a Tv Gazeta, de 1980 a 1981 também exibe alguns poucos episódios na sua grade de programação.


Durante a década de 1980, talvez tenha sido o período mais longo que o seriado ficou longe das telinhas, mas retornou de 1990 a 1995 novamente pela Tv Record.


Já, em 1996, Os Três Patetas estreia pelo canal a cabo Warner, onde foi exibido até o final de 2000. Infelizmente, a série não foi exibida na íntegra, uma vez que a Warner só mantém direitos autorais dos episódios que foram realizados em seus estúdios.


Com a estreia do canal a cabo TCM, novamente retorna a série tão querida do público, onde também já foi exibida por duas vezes.



**A FANTÁSTICA DUBLAGEM DA AIC**



Os Três Patetas teve o início de sua dublagem no princípio de 1965. Ficou a critério de Hélio Porto a escolha das vozes, tradução e direção.
É bom lembrar que a Tv Globo só adquiriu 50 episódios inicialmente e o lote trouxe episódios fora da ordem cronológica de prodção.

Assim, havia episódios com Shemp e também com Curly. Nesse 1º lote, a maioria era com Shemp.
Hélio Porto decidiu dublar Larry, criando um falsete primoroso, Moe entregou a Borges de Barros, Shemp a José de Freitas devido a sua fantástica veia para dublar comédias.

Curly era o mais difícil de encontrar um dublador à altura. Além do ator falar muito rápido, ele fazia diversos trejeitos para interpretar o personagem.
Samuel Lobo, que era um exímio tradutor da AIC, dublava esporadicamente alguns figurantes. Certo dia, Hélio Porto pediu a ele uma ajuda para encontrar um dublador para Curly. Mostrou o filme em inglês e pediu que ele tentasse fazê-lo. 
Após ter dublado Curly em teste (sem saber), Hélio Porto disse a ele que dublaria o personagem.



Samuel Lobo recusou a princípio, pois achava que não conseguiria, mas depois que todos notaram a semelhança das vozes e a perfeita perfomace de Samuel Lobo, este acabou cedendo.

Para os demais personagens, Hélio Porto percebeu que basicamente sempre  era o mesmo elenco, assim, na medida do possível procurou sempre manter Neville George, Gessy Fonseca, Rita Cleós, Arakén 
Saldanha entre outros.

O 2º lote de episódios desta feita trouxe mais episódios com Curly, mas já havia outros dubladores que haviam ingressado na AIC e que substituíram as vozes do elenco. É dessa época que participa Carlos Alberto Vaccari, Wilson Kiss e Hugo de Aquino Júnior.

O 3º lote de episódios (90 episódios) apenas foi iniciada a dublagem em 1967/68 e aí já trouxe cerca de 15 episódios com o pateta Joe Besser, que substituíra Shemp  devido ao seu falecimento. Para dublá-lo foi convidado César Leitão, que era um profissional ligado à distribuição de filmes, mas que fez um trabalho tão perfeito que ingressou na dublagem também até o seu falecimento.



Para a dublagem desse lote houve dois problemas: 

1- Os poucos episódios que traziam Shemp não puderam ser dublados por José de Freitas, uma vez que estava afastado da AIC por motivo de saúde. A solução foi substituí-lo por Antônio de Freitas (seu irmão), o qual possuía uma enorme experiência, mas este dublou pouquíssimos episódios, pois não se sentia à vontade em tentar substituir o irmão.
Assim, entra José Soares que dublou vários episódios, criando uma voz para Shemp, a qual não se afastasse muito de José de Freitas.

2- O segundo problema foi a saída de Hélio Porto da AIC, assim a tradução passou para Samuel Lobo, mas quem ficaria com a direção de dublagem e substituiria a voz de Larry , que era tão característica.
O nome indicado foi de Flávio Galvão que fez um falsete próximo do que Hélio Porto fazia e assumiu a direção de dublagem também.
Há rumores de que Flávio Galvão não dirigiu totalmente o restante dos episódios, mas também nunca surgiu um outro nome.

Com o  sucesso da série, a vinda dos longas produzidos também foram adquiridos pela TV Record. 
Agora surgia um outro pateta Curly-Joe (Joe DeRita), o qual teve vários dubladores: Samuel Lobo dublou um filme, mas depois também Olney Cazarré e Roberto Marquis se dividiram na dublagem do personagem.

Não há informações precisas sobre a dublagem dos filmes, a respeito de tradução e direção, uma vez que alguns vieram juntos com o lote de episódios.


**Os Três Patetas com Hércules**


Infelizmente, de tudo que foi dublado de Os 3 Patetas cerca de 50% se perdeu a dublagem. Segundo a Sony Pictures há cerca de, no máximo, 118 episódios ainda com a dublagem da AIC e restaurada. Já sobre os longas não conseguimos obter nenhuma informação, por total desinteresse da Sony. 



**TRECHOS DE UM DEPOIMENTO DE BORGES DE BARROS DADOS A MIM EM 23/06/1989**



** - E o famoso "cabeça de pudim" que Moe dizia ? 

R: Rs,rs,rs. Olha, o texto tinha tantas coisas que precisávamos adaptar que esse cabeça de pudim, foi uma criação minha. Um dia estávamos na bancada e lá no roteiro tinha assim: Moe: e três interrogações. Na hora eu perguntei ao Hélio o que era aquilo e ele disse: tente criar algo para identificar o personagem, porque do inglês para o português não há correspondência. Aí, no meio daquela balburdia toda eu pensei em cabeça de pudim, algo que eu já tinha falado em programas de rádio. E deu certo ! Ficou sendo a marca do Moe, mas com a aprovação do Hélio Porto.


** - Você falou em balburdia, durante as gravações havia muita agitação ?

R: Às vezes, mas sempre tentávamos ser bem diretos, mas eu digo balburdia, porque muitos sons éramos nós mesmos que fazíamos. Não havia uma técnica que desse conta de tudo. Eu me lembro que várias vezes quando o Moe ficava com a cabeça presa, num balde, numa caixa, eu mesmo punha a mão na boca para demonstrar isso e os demais também fizeram. Muitos tapas, fomos nós que fizemos, porque a técnica tinha que fazer outros ruídos. Se você notar, em alguns episódios, fica até o som original: eles gritando ou rindo. Na realidade, o que atualmente a técnica faz, nós tínhamos que compensar. Isso ocorreu muito nos primeiros tempos, depois a gente já era acudido melhor pela técnica ! 

OBS> Moe chegou a ser dublado em cerca de 4 a 6 episódios por Eduardo Abbas, em virtude de uma gripe fortíssima que Borges de Barros sofreu.
Eduardo Abbas era um veterano ator de novelas na década de 1960/70.


A dublagem de Os 3 Patetas é tão marcante, tão bem realizada, que nos é impossível assistir aos episódios legendados. Realmente, este trabalho entrou como um dos 10 melhores realizados pela AIC e, provavelmente, para a história da dublagem brasileira !


**VAMOS REVER 6 EPISÓDIOS DE OS 3 PATETAS**

*EPISÓDIO 1:  "ESSES TRÊS SÃO FOGO"
video


**EPISÓDIO 2:  "PILHAS DE PIADAS"
video


*EPISÓDIO 3: "DE OLHO NO ÓLEO"
*OBS> Shemp é  dublado por Antonio de Freitas*
video


*EPISÓDIO 4: "Babás Bobos"
*OBS> Shemp é dublado por José Soares*
video


*EPISÓDIO 5: "APENAS UM TROTE"
*OBS> Joe Besser é dublado por César Leitão*
video


*EPISÓDIO 6: "VEJA QUE CERVEJA"
*OBS> Larry é dublado por Flávio Galvão*
video


**FONTE DE PESQUISA:

**Colaboração de Fernanda Furquim e Edson Rodrigues**
**Depoimento do dublador Hugo de Aquino Júnior**
**3ª Entrevista de Borges de Barros postada neste blog em 24/10/2010*
**Arquivo Pessoal**


**FICA AQUI NOSSA SINGELA HOMENAGEM A HÉLIO PORTO, BORGES DE BARROS, SAMUEL LOBO, JOSÉ DE FREITAS. ANTÔNIO DE FREITAS, JOSÉ SOARES, CÉSAR LEITÃO, FLÁVIO GALVÃO, OLNEY CAZARRÉ e ROBERTO MARQUIS !

*Fizeram gerações se divertirem de uma forma simples e com uma extrema qualidade na dublagem !

*A geração que assistiu aos 3 Patetas agradece do fundo do coração !


*Marco Antônio dos Santos*

4 de novembro de 2015

RELÍQUIAS DA DUBLAGEM (07): OS INVASORES



Os Invasores foi uma série de ficção científica, criada por Larry Cohen, produzido por Quinn Martin, dirigida grande parte por Paul Wendkos, com tema de abertura composta por Dominic Frontiere, protagonizado basicamente por Roy Thinnes e Kent Smith.

Segundo vários autores a série foi baseada num filme de 1956, produzido nos Estados Unidos, dirigida por Don Siegel, chamado "Vampiro de Almas", estrelado por Kevin McCarthy e Dana Wynter. Esta tese é ainda mais reforçada pelo roteiro do episódio "As Sementes", cujo ator convidado é Gene Hackman.

A série foi apresentada originalmente, nos Estados Unidos, pela rede de televisão ABC, de 10 de janeiro de 1967 até 26 de março de 1968, num total de 43 episódios.


A série contou também com as participações de vários artistas convidados como Suzanne Pleshette (Vicki), Edward Andrews (Mark Evans), Lin McCarthy (Fellows), Roy Jenson (Roy Jenson), Rodolfo Hoyos (Miguel), Val Avery (Manager), William Stevens (Cobbs), Ted Gehring (Cabbie), Tina Menard (Mama), Tony Davis (Boy), Roberto Contreras, Pedro Regas (Beggar), entre outros.

O primeiro episódio da série chamada "Beachhead" (Cabeça de Praia), iniciava com um fundo musical de dar arrepios, assinado pelo mestre Dominic Frontiere e o cenário de uma localidade deserta, escura, abandonada, percorrida por um Ford Sedan prateado, com teto de vinil branco, dirigido por David Vince, interpretado por um ator até então desconhecido chamado Roy Thines.

Começava assim a fantástica saga de David Vincent, um homem comum, um arquiteto bem-sucedido, que de forma inusitada, ao presenciar e testemunhar a aterrissagem de um disco voador, uma nave de outra galáxia, mudaria totalmente a sua vida. Por exatos 43 episódios, David Vincent passaria a ter dois únicos objetivos na vida: de forma desesperada, tentaria evitar os planos de invasão da Terra e procuraria um meio de convencer um mundo descrente de que o pesadelo já havia começado. 



Os invasores eram seres de um planeta que estava para ser extinto e já se encontravam entre nós, haviam tomado a forma humana e tinham iminentes planos de invasão em massa para fazer da Terra o seu mundo. Apesar de se confundirem com a aparência humana, os invasores não tinham pulsação, não apresentavam batidas cardíacas, não possuíam sangue nas veias e alguns apresentavam uma notável deformidade no quarto dedo das mãos, causada por um erro de cálculo no processo de mutação para a forma humana. 

Após algum tempo na forma humana, precisavam se regenerar em gigantescos tubos movidos por geradores potentíssimos de tecnologia alienígena e brilhavam feito incandescentes antes de morrer, eram pulverizados e não deixavam rastros ou sinais de suas presenças na forma humana. Os episódios que compõem toda a trama é centrado numa personagem inicialmente tido como um lunático pela opinião pública.


Um arquiteto que é motivo de chacota em todo lugar que aparece, mas que representa o que parece ser a única tábua de salvação para uma humanidade descrente. Um personagem solitário que enfrenta uma raça de seres invasores que objetivam o domínio pleno do mundo terreno. 

No Brasil, esta série era distribuída pela TV Interamericana do Brasil, com a dublagem da TV Cinesom/RJ. 

Durante a série, Vincent gradualmente convenceu um pequeno grupo de pessoas a ajudá-los a combater aos alienígenas, principalmente o industrial milionário Edgar Scoville (interpretado por Kent Smith), que se tornou um personagem semi-regular em dezembro de 1967.


*Kent Smith (Edgar Scoville)*

A espaçonave com que eles chegam à Terra é um disco voador de aspecto derivado daquele mostrado nas fotografias controversas de George Adamski, porém, ao invés de possuir três esferas na parte inferior a nave dos invasores tem cinco saliências cavadas. Era um princípio da equipe de produção não apresentar um visual de cenários e objetos cênicos que fossem totalmente alienígenas comparados aos equipamentos humanos convencionais (como H. R. Giger fez em Alien). O modo preferido pelos alienígenas para matar alguém era aplicar um disco com cinco luzes brilhantes na nuca, causando hemorragia cerebral.




**A SÉRIE NO BRASIL**

Os Invasores estreou na extinta Tv Tupi em meados de 1967 em horário nobre. Após a exibição das duas temporadas, a série foi retirada do ar, uma vez que a audiência  esperada era bem maior.
Naquele ano, havia diversas séries de ficção científica no ar, as quais utilizavam o máximo possível de efeitos especiais.
 Já Os Invasores, primava pelos roteiros bem construídos dos episódios e o mínimo de efeitos especiais, o que gerou um certo desequilíbrio na audiência nos Estados Unidos e também no Brasil.

Sendo assim, a série retornaria somente em 1973, pela mesma Tv Tupi, sendo exibida às quartas-feiras, às 23h., porém não chegou a exibir totalmente as duas temporadas, mas a grande novidade foi que era a primeira vez que Os Invasores era exibido colorido no Brasil. Isto trouxe um grande interesse para a época, já que a tv brasileira produzia pouquíssimos programas coloridos.

Em 1976, a série migra para a TV Bandeirantes, sendo exibida às 18h. A série já havia conquistado o público brasileiro e, em 1979, começa a ser exibida pela Tv Record às 18h30.

Após esta última exibição, a série foi devolvida para a distribuidora e ficou totalmente fora da nossa tv durante quase 13 anos, retornando somente em 1993, pela mesma Tv Record, às terças, 17h30.
Mas, já eram outros tempos da nossa televisão e um episódio de 50 minutos de duração não cabia dentro de 1 hora, devido à quantidade de comerciais.
Assim, a emissora fez cortes violentos em diversos episódios, muitas vezes editando imagens, a fim de acelerar a história, ou cortava trechos do início, da abertura, enfim a exibição foi prejudicada nesse sentido.



Os Invasores teve um grande espaço pela extinta tv a cabo Tele Uno entre 1994 a 1999, onde foram exibidos todos episódios com dublagem em espanhol e, posteriormente, numa reprise com a dublagem da TV Cinesom.

Já o canal TCM preferiu exibir a série há cerca de 4 ou 5 anos totalmente legendada, devido aos problemas técnicos da dublagem.
Atualmente, a série pode ser vista pela Rede Brasil e com a dublagem brasileira.

**A DUBLAGEM DA TV CINESOM / RJ**

Os Invasores foi uma das últimas séries dubladas pela 1ª fase do estúdio Tv Cinesom. Logo em 1968, após a série ter sido dublada, a direção do estúdio ficou com Hélio Porto, através de um arrendamento efetuado devido à situação econômica do estúdio.

A dublagem da série foi altamente prejudicada pelos equipamentos técnicos utilizados, deixando um áudio com muito chiados, às vezes um pouco encubado e as vozes dos dubladores acabaram ficando abaixo do nível da trilha sonora. Todos esses problemas técnicos citados, foram constantes nas dublagens da TV Cinesom.

Entretanto, os dubladores que participaram eram de uma enorme experiência com a interpretação com a voz e a escalação trouxe sempre o que havia de melhor, na época, para essa dublagem.

Evidentemente, o ponto alto foi a escalação do dublador Nilton Valério para dublar o personagem principal. Sem dúvida alguma, houve uma integração perfeita e magistral.
Devido a instabilidade da TV Cinesom, Nilton Valério dublou até o episódio 29 (Labirinto), ainda no início da 2ª temporada. A partir do episódio seguinte a dublagem foi entregue a Luiz Carlos de Moraes,
que imprimiu um estilo diferente, mas com grande eficácia e competência.

*Nilton Valério (falecido em 2007)*

*Luiz Carlos de Moraes*

A dublagem ainda contou com Thelmo de Avelar para o personagem Edgar Scoville (Kent Smith) e os dubladores escalados para os atores convidados foram de uma qualidade e experiência notáveis, o que enriqueceu a dublagem desta série.
Entre vários, destacam-se a presença de Magalhães Graça, Nelly Amaral, Ribeiro Santos, Gualter de França, Ida Gomes, Orlando Prado, Newton da Matta, Antônio Patiño, Luis Manuel, Neyda Rodrigues, Sônia de Moraes e, inclusive, Jorgeh Ramos que havia acabado de se transferir de São Paulo para o Rio de Janeiro.

Dos 43 episódios produzidos e dublados, apenas um perdeu totalmente a dublagem brasileira.
Durante a década de 1980, a Tv Interamericana do Brasil (que já havia alterado o nome para Teleshow, ainda no final dos anos 60) encerrou as atividades e os direitos de exibição foram para a Worldvision.
Em 1993, quando exibido pela última vez em rede aberta, a Tv Record não exibiu o episódio "Gênesis", um dos primeiros da 1ª temporada.
A distribuidora não tinha mais como recuperar o áudio da dublagem brasileira.
Este episódio foi exibido pela Tele Uno em espanhol e até colecionadores também não o possuem dublado em português.
Com o encerramento da Worldvision por volta do ano 2000, a Paramount detém os direitos de exibição.

**Episódio "Labirinto", último dublado por Nilton Valério**

Apesar dos problemas dos equipamentos do estúdio, a dublagem de Os Invasores é notável, devido à extrema interpretação com a voz. 
Uma verdadeira relíquia da história da nossa dublagem, a qual sobreviveu entre tantos descasos que ocorrem com a dublagem brasileira.


**VAMOS REVER 2 EPISÓDIOS DE OS INVASORES**



*EPISÓDIO:  "PESADELO" (1ª Temporada)*

*PARTE 1 /
video

*PARTE 2 /
video



*EPISÓDIO:  "A PERSEGUIDA" (2ª Temporada)*


*PARTE 1 /
video


*PARTE 2 /
video


**Colaboração: Edson Rodrigues**


*Marco Antônio dos Santos*